Esse é o segundo de três textos. O anterior foi sobre crenças limitantes. Se quiser ler, clique aqui. Em breve, falarei sobre o 3º motivo.

Os bloqueios emocionais são traumas que gravam uma crença, imediatamente, no subconsciente porque acontecem sob forte impacto emocional.

A mente consciente é o guardião do subconsciente que precisa ser protegido porque tudo que “entrar” nele, será realizado por ele. Quando sentimos uma forte emoção, a mente consciente fica “cega” – perde-se a cabeça - e o portão do subconsciente, chamado fator crítico, fica aberto, permitindo que qualquer programação entre. Além de gravar, no subconsciente, tudo que falarmos e ouvirmos nesse momento, também ficamos vulneráveis ao inconsciente coletivo que é, extremamente, negativo. O estrago está feito. Tudo que entrar no subconsciente terá que se manifestar como experiência na vida a menos que seja ressignificado e isso envolve liberar toda a carga emocional, olhar a situação por uma nova perspectiva e perdoar.

Os bloqueios emocionais podem acontecer em qualquer momento da vida, mas acontecem, com mais frequência, entre 8 e 14 anos de idade. O trauma pode ter ocorrido de diversas formas. Pode ter sido causado por uma ou mais pessoas, por um acidente de trânsito, pela morte de um ente querido, ou pela descoberta de uma doença grave, ou por acidentes com animais como a queda de um cavalo ou por um evento com animais perigosos ou insetos, etc...

Vou dar um exemplo de um bloqueio causado por uma professora que grita com o aluno, chamando-o de "burro" na frente dos colegas porque ele errou um exercício em sala de aula. Esse aluno sente muita raiva e vergonha, mas não reage diante da figura de autoridade que é a professora. Ele pode ou não chorar, mas engole a raiva e a vergonha. Nesse momento, a mente racional deixa de proteger o subconsciente que fica exposto ao que a professora e os colegas disserem ou pensarem, porque o pensamento também será absorvido pelo subconsciente do aluno que está, completamente, desprotegido. Além do mais, ele mesmo vai acreditar, imediatamente ou com o passar do tempo, que é “burro”. Pode ser que, no momento, ele não concorde com a professora, mas como gravou no subconsciente, isso se manifestará diversas vezes com atitudes “pouco inteligentes” e, com os fatos que virão, ele passará a acreditar que é mesmo “burro”.

Como resolver? É preciso “esvaziar” toda a carga emocional... colocar para fora e passar a ver a situação por um outro ponto de vista. No exemplo da professora, tentar enxergar por que ela agiu daquela forma. Ela podia estar com muitos problemas, ou foi vítima da mesma situação e está repetindo as próprias experiências e, finalmente, perdoar.

Se você precisa liberar um bloqueio emocional, faça o seguinte exercício: feche os olhos e tente recriar a cena o máximo possível. Lembre aonde aconteceu. Tente lembrar se era um lugar fechado ou ao ar livre. Se estava só ou acompanhado. Se era noite ou dia. Se tinha muito ou pouco barulho, ou se estava num silêncio total. Se estava sozinho ou acompanhado de uma ou mais pessoas. Se havia mais pessoas, quem eram? Como estavam vestidas? Tudo o que puder lembrar para recriar a cena, mentalmente, será muito útil. Depois de recriar todo o ambiente, relembre como aconteceu o bloqueio. Deixe toda a emoção fluir com o máximo de intensidade. Faça a emoção aumentar, expandir o máximo possível. Se o bloqueio foi com outra pessoa, Imagine o que ela falou para bloquear você e deixe a raiva explodir. Fale tudo que gostaria de ter falado, quando o fato ocorreu, e não conseguiu. Fale tudo o que teve que experimentar na vida por causa do bloqueio, fale sobre toda dor, todo sofrimento, toda frustração... coloque tudo para fora com o máximo de intensidade. Depois de esvaziar toda a emoção, respire, profundamente, algumas vezes, preencha-se de amor, mentalizando algo como:

Eu me amo profundamente, eu posso realizar tudo o que desejo e eu mereço tudo de bom nessa vida.

Mentalize isso algumas vezes, até se sentir preenchido de amor, confiança e paz. Deixe a sensação de conforto emocional preencher você.

Depois disso, imagine-se olhando nos olhos da professora, tente perceber por que ela agiu daquela forma, se teve uma infância sofrida, ou se a vida dela estava difícil naquele momento, se ela estava sob grande estresse. Perceba quais os sentimentos faltaram nela para agir da forma que agiu. Faltou amor? Faltou generosidade? Faltou carinho? Talvez, ela não tivesse esses sentimentos nem para si mesma e precisava dar aos outros... mas como dar algo que não se tem? Lembre-se de alguma vez na vida em que sentiu, intensamente, esses sentimentos que faltaram nela. Imagine-se oferecendo, a ela, esses sentimentos que você tem em abundância e perdoe-a. Nesse momento, você ajudou a curar alguém carente, emocionalmente, e se curou. Quanto mais você dá, mais receberá.

Depois de liberar tantas emoções, volte a respirar profundamente algumas vezes.... perceba como você se sente muito mais leve. Nos próximos dias, observe se, ao lembrar do fato, não sente mais a carga emocional e se você consegue fazer o que não conseguia desde que o bloqueio aconteceu. Se o bloqueio não causa mais nenhuma dor emocional e não impede mais você de fazer o que não conseguia, você está livre. Caso contrário, precisará repetir o exercício.

Como o desbloqueio é carregado de carga emocional intensa, talvez você não consiga realizar sozinho. Nesse caso, procure um profissional que auxiliará em toda a ressignificação. Cure suas dores emocionais. Você merece ser mais feliz e próspero em todas as áreas da vida.

Se esse texto ajudou você entender ou liberar bloqueios emocionais, compartilhe para que outras pessoas também sejam beneficiadas.

Com todo o meu carinho.... beijos 😊

Denise Monteiro
Hipnoterapeuta
16 98148-2000

Gostou desse conteúdo?

Participe da nossa lista VIP e receba conteúdos exclusivos via e-mail. É grátis: